quarta-feira, maio 31, 2006

Tao claro como um peixe na agua!


Que riqueza sinto
quando te vejo
sinto-me assim farto
pela tua tamanha beleza
clara e transparente

quero-te assim
ìntima…
serena…
despida de gente

mostra-me os segredos
que guardas
em teu interior
deixa-os na praia
pra vê-los melhor

a cor das pedras
as formas das conchas
o relevo macio da areia
em meus pés à beira-mar

da brisa marinha encho
a minha vela de sonhos
contruo castelos de areia
que se diluem no mar

ouvir a tua voz baixinho
na língua das ondas
convences-me que a vida
é muito maior

maior que a pequenez
maior que a altivez
que apesar da tormenta
renascemos outravez

no teu corpo cristalino
vejo que falas verdade
vejo peixes e algas
que nunca tinha avistado

então…
despido de preconceitos
mergulho em ti Despina
enquanto nado leve
do peso terreno
relembro as tuas palavras
e de teu líquido amniótico
rompo e renasço.

2 comentários:

mashael alhajeri disse...

too bad don't understand portuguese..spanish yes..but portuguese...:0...

Joshua disse...

Escreveste «alga»: entre outras poderosas sugestões de maresia, ela nos põe hoje em sintonia.

Abraço